Estudio bibliométrico sobre la Pedagogía de la Alternancia en artículos científicos (1981-2019)

Palabras clave: Pedagogía de la Alternancia, estado del conocimiento, producción científica, análisis bibliométrico y de contenido

Resumen

La Pedagogía de la Alternancia (AP) es una propuesta formativa y educativa del ser humano que organiza el proceso de enseñanza-aprendizaje, alternando espacios entre propiedad familiar y escuela. Este estudio tiene como objetivo comprender cómo se configura el estado actual del conocimiento sobre esta temática, a través de la metodología de análisis bibliométrico y de contenido. Las fuentes de datos fueron artículos indexados en: Web of Science, Scopus, Redalyc, DOAJ, SciELO, Educ@, EDUBASE y plataforma digital de Periódicos Capes. Los artículos seleccionados (n = 251) fueron publicados entre 1981 y 2019, y analizados según las categorías de: temporalidad, autores y autoría, perfil de revistas, tipología de artículos, locus y objetos de estudio de la investigación empírica, alcance de los ensayos teóricos y análisis crítico del metanálisis. Los resultados permitieron identificar las perspectivas longitudinales y estructurales de la producción científica en Pedagogía de la Alternancia y sus vínculos con diversos contextos disciplinarios e interdisciplinarios.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

American Psychiatric Association (APA). (2012). Manual de publicação da APA. Penso.

Argumedo, M. A. (1983). O ensino agrícola no Brasil: uma estratégia educacional. Educação em Debate, (4/5)2/1, 55-90.

Azevedo, A. J. (2005). Sobre a pedagogia da alternância. Revista Científica Eletrônica de Pedagogia, 6(3), 1-10.

Belo, M. S. S. P. y Jesus, L. F. (2015). A construção da identidade pedagógica na educação do campo. Olhar de Professor, (18)2, 221-235.

Bicalho, R. (2013). Educação do campo e pedagogia da alternância. Educere et Educare, (8)5, 45-58.

Cambi, F. (2018). Note sulla scuola attuale: sull’alternanza scuola-lavoro. Studi della Formazione, (21), 233-235.

Chartier, D. (1985). La spécificité des Maisons Familiares Rurales d’éducation et d’orientation. Revue Française de Pédagogie, (73), 23-30.

Colossi, N. y Estevam, D. O. (2003). Casas familiares rurais: uma alternativa para a formação de jovens agricultores. Revista de Administração, (2)3, 15-42.

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). (2020). Aprimoramento do processo de avaliação da pós-graduação. 2019. Recuperado de: http://uploads.capes.gov.br/files/Oficio_1015556.pdf Acceso el 10 de diciembre de 2020.

Dias, F. F. y Leonel, A. A. (2018). Escolas de campo: um olhar sobre a legislação e práticas implementadas no Ensino de Física. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, (20)2874, 1-22.

Ferrari, G. M. y Ferreira, O. S. (2016). Pedagogia da alternância nas publicações acadêmicas no Brasil (2007-2013). Revista Brasileira de Educação do Campo, (1)2, 495-523.

García-Marirrodriga y Calvó, P. P. (2010). Formação em alternância e desenvolvimento local: o movimento educativo dos CEFFAS no mundo. O Lutador.

Gioanordoli, R. L. (1980). Nova perspectiva para a educação rural: pedagogia da alternância. 1980. Dissertação (Mestrado em Educação). PUC-RJ.

Gimonet, J. C. (2007). Praticar e compreender a pedagogia da alternância dos CEFFAs. Vozes.

Gomes, E. M., Araújo, A. F. y Rocha, M. I. A. (2019). Legislação sobre a posse da terra e educação no campo no Brasil. Revista Brasileira de Educação do Campo, (4)e6406, 2019.

Gonçalves, T. L. y Hayashi, M. C. P. I. (2016). Educação do campo: contribuições para o estado da arte da produção científica (2007-2015). Revista da FAEEBA, (25)46, 207-225.

Gonçalves, T. L. y Hayashi, M. C. P. I. (2014). Estudo bibliométrico sobre educação do campo para jovens e adultos deficientes. Série-Estudos (UCDB), (38), 129-149.

Hayashi, M. C. P. I y Gonçalves, T. L. (2016). Perfil bibliométrico dos grupos de pesquisa em Educação do Campo (2000-2016). Revista Brasileira de Educação do Campo, (1)1, 4-25.

Hayashi, M. C. P. I. y Gonçalves, T. G. G. L. (2018). Estudo bibliométrico dos balanços da produção científica em Educacão Especial na Revista Brasileira de Educação Especial (1999-2017). Revista Brasileira de Educação Especial, (24), 135-152.

Leal, E. J. M. (2011). Produção acadêmico-científica: a pesquisa e o ensaio. Universidade do Vale do Itajaí.

Lopes, A. C. y Costa, H. H. C. (2012). A produção bibliográfica na área de educação. Revista Brasileira de Educação, (17)51, 717-730, 2012.

Marois, T. (2020). La pédagogie de l’alternance en maisons familiales rurale. Recherches & Éducation, 4(1). Recuperado de: https://journals.openedition.org/rechercheseducations/187 Acceso el 10 de diciembre de 2020.

Maroldi, A. M., Lima, L. F. M., Hayashi, C. R. M. y Hayashi, M. C. P. I. (2017). Panorama bibliométrico das teses e dissertações sobre educação indígena. Revista Brasileira de Educação do Campo, (2)2, 677-707.

Maroldi, A. M., Lima, L. F. M. y Hayashi. (2018). Análise de citações presentes em teses e dissertações em educação indígena. Informação & Informação, (23)3, 177-201.

Martins, F. J. (2013). Pedagogía de la tierra: los sujetos del campo y la enseñanza. Revista NuestrAmérica, (1)2, 67-85.

Mazzeu, F. J. C. (2010). Educação e economia solidária: contribuições da pedagogia da alternância para a formação dos catadores de materiais recicláveis. Revista da FAEEBA, (19)34, 49-62.

Miano, M. A. y Corro, E. S. L. (2018). Temáticas, geografias y debates en el campo de la pedagogia de la alternancia. Revista de Investigación Educativa, (27), 60-89.

Michel, M. H. (2015). Metodologia e pesquisa científica em ciências sociais: um guia prático para acompanhamento da disciplina e elaboração de trabalhos monográficos. Atlas.

Muñoz-Peinado, J. (2003). Los colégios familiares rurales. Revista Interuniversitária de Formación del Profesorado, (17)3, 75-89.

Nascimento, C. G. (2011). Educação do campo na encruzilhada entre emancipação versus reino do capital: uma leitura filosófica. Revista NERA, (14)18, 106-124.

Nahirne, A. P. y Strieder, D. M. (2017). Metaestudo da produção científica sobre a escola e a educação do campo. Educere et Educare, (12)24, 1-15.

Nosella, P. (1970). Chance aos agricultores: o Movimento de Educação Promocional do Espírito Santo. Cadernos do CEAS, (8), 1-12.

Nosella, P. (1977). Uma nova educação para o meio rural: sistematização e problematização da experiência educacional das escolas da Família Agrícola do Movimento de Educação Promocional do Espírito Santo. Dissertação (Mestrado em Educação). São Paulo: PUC-SP, 1977.

Nosella, P. (1978). Uma nova educação para o meio rural. Revista de Cultura UFES, (1)1, 81-100.

Nosella, P. (2007). Militância e profissionalismo na educação do homem do campo. Revista da Formação por Alternância, (2), 5-17.

Nosella, P. (2012). Educação do campo: origens da pedagogia da alternância no Brasil. UFES.

Oliveira, V. M. y Valadão, J. A. D. (2017). Entre a simplificação e a complexidade, a heterogeneidade: Teoria Ator-Rede e uma nova epistemologia para os estudos organizacionais. Cadernos EBAPE.BR, (15)4, 877-899.

Palaro, R. y Bernartt, M. L. (2012). O trabalho como princípio educativo e como princípio de alienação: possibilidades e limites da pedagogia da alternância. Revista Histedbr Online, (12)46, 293-308.

Pessotti, A. L. (1978). Escola da Família Agrícola: uma alternativa para o ensino rural. 1978. Dissertação (Mestrado em Educação). Fundação Getúlio Vargas: Rio de Janeiro.

Pessotti, A. L. (1981). Escola-família: a pedagogia da alternância no meio rural. Fórum Educacional, (5)2, p. 39-59.

Pinho, M. J. y Nascimento, E. P. (2016). Pedagogia da alternância e a prática inter e transdisciplinar em escolas do campo. Revista Eventos Pedagógicos, (7)3, 1484-1505.

Pizzani, L., Silva, R. C., Bello, S. F. y Hayashi, M. C. P. I. (2012). A arte da pesquisa bibliográfica na busca do conhecimento. Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, (10)2, 53-66.

Ribeiro, M. (2010). Movimento camponês, trabalho e educação - liberdade, autonomia, emancipação: princípios/fins da formação humana. Expressão Popular.

Ribeiro, M. (2008). (2008). Pedagogia da alternância na educação rural/do campo: projetos em disputa. Educação e Pesquisa, (34)1, 27-45.

Saul, T. S. y Rodrigues, R. A. y Auler, N. M. F. (2019). A pedagogia da alternância nas licenciaturas em educação do campo: olhar sobre as produções acadêmicas. Revista Brasileira de Educação do Campo, (4)e5541.

Silva, L. H. (2009). Centros familiares de formação por alternância: avanços e perspectivas na construção da educação do campo. Cadernos de Pesquisa: Pensamento Educacional, (4)8, 270-290.

Silva, M. R. y Hayashi, C. R. M. e Hayashi, M. C. P. I. (2011). Análise bibliométrica e cientométrica: desafios para especialistas que atuam no campo. InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, (2)1, 110-129.

Schiebinger, L. (1999). Has feminism changed science? Harvard University Press.

Silva, W. y Sahr, C. L. L. (2017). Os centros educativos familiares de formação em alternância nas reflexões sobre o desenvolvimento: o estado da arte da produção acadêmica brasileira. Geosul, (32)64, 193-216.

Soares, G. A. D., Souza, C. P. R. y Moura, T. W. (2010). Colaboração na produção científica na Ciência Política e na Sociologia brasileiras. Sociedade e Estado, (25)3, 525-538.

Souza, M. A. (2008). Educação do campo: políticas, práticas pedagógicas e produção científica. Educação & Sociedade, (29)105, 1089-1111.

Teixeira, E. S. y Bernartt, M. L. e Trindade, G. A. (2008). Estudos sobre a pedagogia da alternância no Brasil: revisão de literatura e perspectivas para a pesquisa. Educação e Pesquisa, (34)2, 227-242.

Vergutz, C. L. B. y Cavalcante, L. O. H. (2014). As aprendizagens na pedagogia da alternância e na educação do campo. Reflexão & Ação, (22)2, 371-390.

Yin, R. K. (2015). Estudo de caso: planejamento e métodos. Bookman.

Publicado
2022-01-07
Sección
Artículos